terça-feira, 2 de outubro de 2012

Corre que Exu vai te pegar.

É recorrente. 
Segurando uma garrafa de Sam Adams em uma mão, e 80% de um Camel na outra, me aproximo do lago. Um pequeno açúde, na verdade.
Às 3:00 da manhã, a água é escura como a noite que cobre o mundo.
E na água escura, vejo o meu maior inimigo, refletido.
O rosto mole, disforme, e molhado do meu maior inimigo é o reflexo do meu rosto duro fora da água.
Dou outra tragada longa e reduzo o Camel para 62%, solto a fumaça e dou um bom gole na Sam Adams, crio coragem e encaro o desgraçado nos olhos.
A brisa leve e constante da Florida impede que o rosto daquele filho da puta fixe-se e, assim como eu, ele oscila num movimento delicado entorpecido. Olho diretamente nos olhos dele, e ele olha de volta.
Posso sentir sua fúria quieta. Sua vingança iminente. Uma ânsia monstruosa de praticar atos inglórios. Uma tempestade perturbada de sentimentos contraditórios, de vontades paradoxais.
O Camel perde um pouco de si para o mundo enquanto eu analiso friamente meu inimigo, que em reciprocidade, me analisa ainda mais frio e lúgubre. Levo à boca ao mesmo tempo que ele leva o dele, trago mais uma boa porcentagem, e sopro a fumaça no rosto ignóbil na escuridão da água.
Ele tenta fazer o mesmo para me provocar, me desmoralizar. Copia meus movimentos, repete minha demência, mas eu sou mais forte.
Mantenho-me firme. Não vacilo. Não pisco. Estável.
Mas ele, com o sopro da fumaça, se estremece todo, oscila ainda mais, instabiliza-se e some em meio à leves ondas da água preta.
Levanto-me, satisfeito.
Tomo outro gole da garrafa.
Expiro.
Antes de ir, olho pra baixo e não o encontro mais. Só um rastro de reflexo do que ele era um momento atrás.
Meu inimigo é mais fraco do que eu.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

How to Sell on e-bay?

I never though it would come to this, but it has become impossible to use e-bay.

You try using Mercado Livre and it is a pain to get along with it. Disrespect with the user, dishonest and illegal charges, restriction to good users and support for scammers.
That used to be a Mercado Livre thing, and that's why I hate it.

Now it seems like it's parent company, e-bay, is following those unhealthy steps towards the abyss. It has become just impossible to use e-bay. The policies have drastically changed to help the scammers, as I have just experienced myself: A bidder who is to me obviously just trying to mess up my sales has no obligation whatsoever to pay for the purchase that he did twice, and still I am the one who gets a negative feedback. For what? For not sending the item prior to receiving payment? I cannot find another explanation for this nonsense.

Following that, I made contact with another collector from São Paulo who is desperately trying to sell an item on e-bay, but all she could accomplish was a few minutes of auction before being flagged and taken down, without any reasonable explanation. Several times. Over and over again. When calling customer support and talking to an e-bay agent, not before waiting in line for an outrageous amount of time, no answers were given.

Even trying to comply with all the weak and useless measures to assure a fake 'safety', such as linking PayPal account, confirming Credit Card, and giving out CPF (the equivalent to the Social Security Number), and listing the auction with full care to fit every little stupid detail that is now required, there is no way to get the listing live. There is nothing the customer support can do to help, nor can they find an explanation (or even try to sound interested about it) for this problem.

By now you should have figured out that the question on the title is rather a rhetorical question than a real ask for help, and I do apologize for misleading you into reading this post, but I just had to try and get your attention for this matter.

There is nothing I can do to get a listing up and running, never mind my otherwise perfect reputation, forget about my many years using the website and helping the community grow, and even let go of my commitment to never leaving a fee for late payment, it just seems now that e-bay not only does not need me, but also does not want my business and couldn't care less if I will still be a part of it or not. Because, with all this difficulty, I can't help but think that the problem is me.

And, truth of the matter is, I will not be missed on e-bay. They do not give a single (insert your choice of curse here) about me as a costumer. So, why should I keep trying to win a small battle on a war that is already lost?

Tonight it was the end of it, as I went to the very edge of trying, after two and a half hours of back and forth in the listing, fixing every single little confusing problem they have created, now they want me to confirm my identity. Hell, that got me even confused if I really am myself. I have called to confirm my identity, just like they told me to, but the waiting was too long, and, honestly, I am 99% sure that, if eventually someone actually pick up the line to help me, they wouldn't be able to do it, or wouldn't care, or would just say that it cannot be done because I don't sound like myself, or whatever else they can come up with to make it a tiny little bit more annoying and difficult to actually post an ad.

So that is that.
So long, e-bay. And I am sorry to be such a disappointment to you.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Uma Luz no Fim do Túnel (ainda que fraca e vacilante)

Já havia falado que queimei minha língua sobre a Dilma Rouseff, mas não entrei em detalhes. Me deu vontade agora de falar sobre nossa atual presidente. Presidente, porque presidenta pode até ser considerado certo agora, mas nunca vai soar certo.
Vejamos então. A primeira mulher presidente do Brasil, e isso é um ponto bastante positivo, ainda que nada tenha a ver com a Dilma. Sim, porque o fato de o país mostrar um grande avanço sobre sexismo não necessariamente determinaria que ela seria uma boa líder.
Mas aí a mulher entra lá e começa a fazer uma limpa no ministério. Não vou nem discutir se as substituições são por profissionais mais competentes e honestos, porque não há como saber isso, mas o simples fato de haver uma mudança dessas, brusca e sem medo das retaliações, já demonstra carácter forte. E eu prefiro mil vezes um Schindler ou um Hitler do que um um Ghandi. Portanto, a dona Dilma já demonstrou ser uma pessoa que ou fede, ou cheira, diferente do imbecil, panos-quentes, duas-caras anterior.
Também foi dito que a atual presidente é atéia. Outro ponto positivo. E, não me leve a mal, mas tivera ela dito ser religiosa, seja de qual fosse a doutrina, isso demostraria falta de carácter.
Até aí, tudo em ordem, mas aí vem o seu posicionamento quanto ao vizinho Chávez. Só o fato de aquele cretino ser admitido como um líder já me dá azia, quiçá a presidente da minha república apoiá-lo. É uma gastrite desgraçada que me queima.
Como todo bom viciado em livros, eu também já fui vermelho. Ou melhor, tive tedências avermelhadas. E como todo quase-vermelho inteligente, eu evoluí e superei essa fase. Socialismo é como o anarquismo, o movimento Punk, histórias em quadrinhos de super-heróis e Miojo: É normal você ser adepto durante a adolescência, é até aceitável que você seja simpatizante quando estiver com seus vinte e poucos anos, mas se você já passou dos 30 e ainda está em uma dessas, você é simplesmente um babaca.
Ainda é cedo pra falar sobre o mandato da presidente e suas implicações, mas uma coisa é certa: Ela já demostrou que é melhor do que o Lula em todos os aspectos até o momento.

terça-feira, 27 de março de 2012

O Teatro do Lula

Estive com um amigo na última segunda-feira falando sobre a atual farsa que o governo brasileiro anda pregando pro seu povo. Geralmente, quando falamos sobre política, mesmo em um grupo de amigos queridos, a coisa segue de uma discussão civilizada pra um debate acalorado e sem razão. Então percebemos o quanto as pessoas podem ser cegas, ainda que parte de um grupo supostamente culto e informado. Não vejo outra explicação que não a manipulação da mídia e das informações.
Devo dizer que queimei minha língua quanto à nossa Presidente Dilma Rouseff. Ela continua não me representando, e continua afundando o Brasil, por tudo que interessa, mas ao menos ela aparenta ser mais honesta que o merda anterior. Incompetente, sim, com ideias ultrapassadas e simplesmente tolas, sim, mas ainda assim, honesta.
A mim não resta sombra de dúvida de que o queridinho de todos, Luiz Inácio, afundou o país no esgoto, travestindo a roubalheira desenfreada (maior de todos os tempos) e a falta de investimentos para o povo com bolsa família, copas do mundo e olimpíadas. É a nada inovadora mas muito eficaz táctica do pão e circo. Dá-se ao povo as migalhas e um pouco de entretenimento, e eles te farão um deus. Lula é o único mártir vivo que conheço.
Pode até ser verdade que, para a população mais pobre, o Lula fez muito. Mas tudo para o curto prazo. Poder-se-ia comparar suas ações políticas para com os desafortunados com um velho ditado, dá ao homem um peixe e o alimentará por um dia, ensina-o a pescar e o alimentará para a vida toda. O Lula deu o peixe, e ao não investir em educação, confiscou todas as varas. Mas as pessoas não conseguem, em sua maioria, perceber isso.
Ainda que o língua-travada estivesse fazendo isso, e unicamente isso, estaria fazendo, mesmo que em curtíssimo prazo mesmo, um bem maior aos mais necessitados. Mas não. O governo Lula foi marcado pela sua incrível mudança de lado: o homem do povo ajudou os mais ricos, os mais pobres, e espremeu a classe média, a classe que, países de primeiro mundo já sabem, é a que movimenta a economia, a locomotiva da nação.
Nunca na história desse país, parafraseando o ex-barbudo, se fez tanto para aumentar o abismo entre as classes sociais. Mas a propaganda é inversa. Diz-se o contrário, que o Brasil melhorou, que está crescendo, que todos estão bem.
Esse meu amigo comentou, com conhecimento de causa (seu pai é presidente de uma multinacional), que, de fato, desde o início do governo Lula, a entrada de empresas multinacionais no Brasil caiu drasticamente. Fato que posso confirmar também por outro lado. Conheço de perto o mercado de arquitectura corporativa, e houve uma considerável queda na movimentação nessa área.
Sobretudo, resta a análise sobre amostragem. Quantas pessoas você conhece que podem dizer estar bem, economicamente? 
Do meu lado, isso não parece bom. Meu salário me caracteriza como classe média-baixa. Trabalho e tenho amigos nessa mesma faixa sócioeconômica. Ao mesmo tempo, mantenho amigos das classes média e média-alta que conheci na faculdade, bem como tenho um bom relacionamento com clientes da classe AAA, e até alguns sortudos amigos que nasceram no topo da pirâmide, e tiveram competência para manter a posição. A pergunta feita para todas as pessoas que conheço, em conversas casuais, sempre retorna a resposta que eu sempre suspeitei: Não está bom pra ninguém. E todas as pessoas com quem tenho a liberdade de conversar sobre isso também comentam que não conhecem ninguém que esteja bem.
Números são números. Já vi indicadores, por fontes diferentes, apontando resultados discrepantes sobre o governo Lula. Nesse caso, como eu sempre defendo, o melhor a fazer é pesquisar, analisar, conhecer o seu meio e tirar suas próprias conclusões.

terça-feira, 20 de março de 2012

O Melhor Texto Que Você Poderia Ler Sobre o Acidente do Thor Batista, Mesmo.

Essa história toda tá começando a me irritar de verdade. 

Hoje li comentários de uma cambada de inútil criticando, sem o menor conhecimento dos fatos, o Thor Batista, no que parece um frenesi de irracionalidade e injustiça unicamente porque o jovem é (muito) rico.

Queria poder encontrar cada um desses espalhadores de despropósitos e fazê-los engolir suas próprias línguas e, nesse caso, dedos também, pra que nunca mais pudessem comentar pela rede à fora. Isso reduziria drasticamente a quantidade de lixo e desinformação que existe na internet, e que, consequentemente, só ajuda a piorar o nível dos leitores, que em sua maioria não têm a mínima capacidade de pensar, só repetem como papagaios as coisas que os outros falam.

Queria poder pegar cada um desses seres infames e lembrá-los sobre o motorista de ónibus que, em uma ação premeditada, proposital e resultante da raiva, atirou um veículo de 10 toneladas na direção de uma ciclista, jogando-a contra outro ônibus e, assim, para a morte, na Av. Paulista, há alguns dias atrás. Um motorista de ónibus, pobre, fez coisa pior do que qualquer coisa que o Thor poderia ter feito com o carro (teve a intenção de prejudicar, diretamente, a vítima) foi liberado mediante o pagamento da fiança de R$ 1.500 reais.

Então, meus estúpidos compatriotas, o fato do sujeito ser rico o torna automaticamente culpado? Ou, uma questão ainda mais importante, só porque ele é rico, acha que ele deve mais pra sociedade ou pra vítima? Porque, que eu me lembre, ninguém criticou com tamanha raiva o motorista do ónibus, além de uma dúzia de ciclistas.

No caso do motorista, com R$ 1.500,00 reais ele simplesmente se livrou de tudo. É o que vale a vida da garota? E a família dela? Agora, no caso do Thor, onde o acontecido foi mesmo um acidente não intencional completamente não intencional (ou alguém acha que ele jogou o carro pra cima do ciclista por pura raiva?), o cara é massacrado pelos oportunistas em geral.

Ainda, pelo que eu saiba, a família Batista arcou com diversos custos para o enterro do pobre morto. O motorista do ónibus o fez? Só porque as pessoas têm dinheiro, não quer dizer que elas tenham obrigações maiores em casos semelhantes, mas o povo brasileiro, invejoso, inculto e idólatra da República dos Nove Dedos, parece entender que ter boa condição social seja, por si só, um crime.

Novamente, não defendo o Thor porque não sei o que aconteceu, mas defendo que seja feita justiça, o que não está acontecendo neste caso, pois já estão julgando-o pelo que ele tem, não pelo que ele fez. E tudo leva a crer que, neste caso, realmente o rico não tem culpa alguma, e está sendo a verdadeira vítima de um pré julgamento de um erro que não cometeu.

Sejamos uma sociedade menos hipócrita, e não tentemos prejudicar alguém só por ele ter mais do que nós.

Teló, Censura e a incompetência dos colaboradores do Yahoo

Só tô postando por sugestão da Tau.

Tive a infelicidade de ler isso: http://br.noticias.yahoo.com/blogs/blog-ultrapop/michel-teló-exporta-sanfona-luiz-gonzaga-para-o-150246749.html

Acabei 'tecendo um comentário', como dizem, mas parece que o pessoal do Ultrapop não gosta muito de críticas e acabou censurando. Já prevendo isso, salvei o texto. Segue, na íntegra, meu comentário:


Há muitos anos leio, com certo desgosto, as notícias da página principal do Yahoo, mas raramente comento alguma coisa, especialmente porque me reservo no direito de ignorar a incompetência da maioria dos colaboradores que escrevem essas descomunais asneiras.
De todas as coisas ridículas e sem cabimento que encontro por aqui, as piores são, geralmente, desse "Ultrapop", que expõe opiniões pessoais ultrajantes e sem absolutamente nenhum cunho jornalístico.
Dessa vez, porém, a coisa foi tão além de qualquer crítica aceitável, que me vejo na obrigação de expor a estupidez por trás deste texto.
Começando pelo (sic) 'ãhã, Cláudia, senta lá', que é algo do tipo que só um ignóbil sem argumentos colocaria em um texto. Foge-me ao conhecimento a referência na cultura popular sobre essa expressão, mas certamente entendo suas implicações, e, mesmo não estando do lado do alegre pop acéfalo, nem do hipster esnobe pseudo-vanguardista, nunca escutei a música em questão.
Não moro em uma ilha deserta, moro em São Paulo, e tenho todo e completo direito de decidir o que ouvir. Já ouvi falar, sim, desse Michel Teló, e o fenômeno que ele se tornou, embora sabendo que é absurdo e, muito provavelmente, sem nexo algum.
Não é minha intenção escolher um lado, contra ou pró-Teló, tampouco tentar discernir o que faz algo tão ruim e simplório ser tão aceito pelo mundo todo, enquanto obras complexas e bem elaboradas são ignoradas, mas o que não posso admitir é a arrogância de um sujeito tentar me dizer que eu vou sentir saudade, em 2032, de algo sobre o qual nunca tive a menor curiosidade em saber o que é. Pior ainda: a arrogância e a falta de bom senso ao afirmar, como se tivesse qualquer conhecimento sobre tudo e todos, que eu já escutei "Ai Se Eu Te Pego", e ainda insinuar que, se eu o houvesse feito e considerasse de baixa qualidade, estaria 'me achando o tal'.
Chama-me de alienado se quiser, mas, assim como eu, conheço dezenas de pessoas que nunca escutaram Michel Teló. E posso dizer que, dos que escutaram, a maioria simplesmente o ignora como algo relevante para suas vidas.
O que me assombra nessas gerações mais novas é a baixa percepção de qualidade. Isso anda refletindo muito na qualidade dos profissionais, que não fazem o menor esforço pra entregar um bom produto, ao contrário, seguem a onda da rapidez pra fazer cada vez menos e pior, como é visto nessas notícias do Yahoo.

O texto original, encontrado no link no começo do post, foi escrito por Pedro Alexandre Sanchez, mas todos os textos do Ultrapop são um ótimo exemplo de incoerência. Se você quiser saber como não escrever, aconselho veementemente a estudar os artigos do site.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Thor, Eike, McLaren e Oportunismo. O Brasil só é feito de uma dessas coisas.

E não é de McLaren, nem de Eike Batista, nem de Thor Batista.
É de oportunismo.

Seguindo o bom exemplo do Michael Jackson, a mídia popular sempre vai agir dessa forma. Crucificar um sujeito como safado comedor de criancinhas em um minuto, depois aproveitar-se da situação e lamentar a perda de um dos maiores nomes da música. Os valores são diferentes, mas, substituindo as variáveis, o resultado é o mesmo.

Quantas pessoas morrem todos os dias em acidentes desse tipo? Faria alguma diferença se o sujeito tivesse sido atropelado por um Gol 89? Sim, faria: não haveria cobertura da mídia.

Há quem já esteja crucificando o tal do Thor. Críticas sobre o sujeito não ter comparecido pessoalmente com a desculpa de estar chocado, ou suposições de que, por estar em um dos carros mais rápidos do mundo, é óbvio que estava acima do limite de velocidade. Sempre existem também os mais comunistas e exaltados, que vão levar a coisa pro lado do "se não fosse rico estava preso", gritando virtualmente em fóruns e blogs sobre como o mundo é injusto e os pobres devem tomar dos ricos (geralmente esses não notam hipocrisia que cometem).

Rapaz, eu não gosto de ver vísceras em filmes. E é tudo feito de mentira. Na vida real, tenho certeza de que eu entraria em choque, e mais ainda, conheço gente que teve o azar de provocar acidentalmente a morte de outra pessoa… O peso disso é esmagador pra pessoas de bem, e esse tal de Thor já deve estar em uma situação extremamente difícil, emocionalmente e de consciência.

"Ah, sim, coitado, deve estar passando dificuldade…" dirão com ironia, como já disseram antes. 

Não tenho nenhum respeito por esse tipo de crítico raso e desprovido de discernimento para com o funcionamento de tudo. Não sei absolutamente nada sobre o tal do Thor, sobre sua personalidade, sobre seus costumes e hábitos, mas sei que o cidadão é filho do homem mais rico do Brasil. E a mídia toda sabe disso. E o mais fácil é mesmo criticar, se fazer valer desse fato pra atacar, crucificar, apedrejar e fazer dele um trampolim de audiência.

Geralmente costumo fazer o mesmo, mas conhecendo melhor o tipo. Pelo que li sobre o pai dele, esse tal de Eike Batista, e pelas entrevistas que já vi, nada me leva a crer que ele seja um mau carácter, muito pelo contrário, me parece um sujeito extremamente sóbrio e sensato, não como um rico egocêntrico e megalomaníaco. E não vejo como esse tal de Eike não passaria esses valores ao filho.

Até que se prove o contrário, toda essa mídia é oportunismo, o mesmo oportunismo que faz do Brasil o lugar tão ruim que é.

Ironicamente, o mesmo oportunismo que este autor aproveita agora para escrever este artigo.

--- Há a grande possibilidade de este ter sido o pior texto que já escrevi em toda a minha vida, mas não estou com tempo, nem paciência, nem humor pra fazê-lo direito. A idéia principal se mantém, e não me arrependo de tê-lo escrito. ---

sexta-feira, 16 de março de 2012

Packt Like Sardines in a Crushd Tin Box

É título de música do Radiohead, mas serve bem para o assunto.

Fiz arquitetura, e faz um bom tempo, mas eu me lembro bem.
E pelo que nos é ensinado, o mínimo que se pode deixar para estacionar um carro é uma vaga de 2,50m por 5,00m. É uma vaga boa, para todos os tipos de carros de passeio, entende?
Aí vem a regra que nos deixa menos dígnos, mas que limita o mínimo permitido:

Lei 11.228, de 25 de junho de 1992 - Código de Obras e Edificações de São Paulo, determina que:
• o tamanho da vaga para veículos pequenos é de 2,10m x 2,00m x 4,20m (AxLxC)
• o tamanho da vaga para veículos médios é de 2,10m x 2,10m x 4,70m (AxLxC)
• as faixas de circulação de veículos deverão apresentar dimensões mínimas, para cada sentido de tráfego, de 2,75m de largura e 2,30m de altura livre de passagem quando destinadas à circulação de automóveis e utilitários.

em casa as vagas têm 1,80m de largura - 20 cm mais estreitas que o mínimo permitido para veículos pequenos (Chevrolet Celta, por exemplo, é um veículo pequeno). Acontece que lá em casa só temos médios e grandes. No comprimento então, nem se fala: não tem um carro que não invada a circulação.

E por falar em circulação, o mínimo na garagem do meu prédio, que é duplo sentido, seria de 5,50m, suficiente para manobrar uma vez, ainda que o bom e velho Neufert determine o mínimo de 6m para tanto.

Além disso, temos nossos vizinhos todos que têm vagas iguais e carros iguais. E a distância entre as vagas é de 30 cm. Quando eles não estão, desço do carro tranquilamente. Quando estão, penso em converter-me ao bulimismo com finalidade anoréctica para poder conseguir sair do carro, mas me lembro que ainda tenho a mochila, que jamais passaria pelo vão da porta desencostada antes de bater no Fit do meu vizinho.

E por falar em Fit do meu vizinho, são 12. Pretos. E por falar em Honda, existem outros 8 Hondas CRV lá na garagem. Pretos, claro. E é por causa desses filhos das putas todos que eu não tenho opção de cores pra comprar carro hoje. Os cornos todos acham tudo muito 'chique' ter um carro preto com interior preto. Cabecinhas de merda a deles, espero que os enterros deles sejam no escuro, e que ninguém vá visitar os túmulos enegrecidos desses malditos ingóbeis.



Ou seja, preciso comprar um conversível.

terça-feira, 13 de março de 2012

O Maior Idiota de Todos os Tempos

Hoje, no caminho do trabalho, passei pela Vila Madalena e cruzei 4 semáforos fora de funcionamento. Alguns apresentavam o infame amarelo piscante, outros nem ao menos se davam o trabalho de tanto. Em dois desses cruzamentos haviam carros do CET e seus famigerados marronzinhos (relacionam a cor aos seus uniformes, mas na verdade o apelido refere-se ao fato de serem todos uns bostas), com caderninhos nas mãos e canetas prontas para multar, no lugar de organizar a situação ou, imaginem, consertar o problema.
No cruzamento mais complicado de todos, na movimentanda e caótica Av. Heitor Penteado, nem uma viatura, nem um bostinha estavam presentes.
Eu, o grande idiota, fiquei engarrafado por um tempo, em meio à confusão, pra depois fazer uma conversão, quase colidindo com outro motorista que não tinha paciência pra esperar, correndo o risco de ter um acidente, ainda que leve. Além de tudo ainda tinha que me preocupar com o bostinha marronzinho, que poderia me multar só pra fazer cota. 
Eu me pergunto, por que os infelizes estavam aplicando multas? Em quem? Condutores passando no semáforo desligado?
Caso houvesse um acidente, ainda que de menor importância, quem ficaria com o prejuízo seria o idiota aqui, enquanto o trabalho do bostinha, que, SURPRESA, tem o salário pago pelo idiota aqui, não era feito para orientar e ajudar, mas sim para prejudicar e tentar arrancar mais dinheiro ainda deste grande idiota.
Agora, pergunta se tem muito radar quebrado. O dinheiro dos impostos, pago pelo idiota aqui, é muito bem utilizado pra manutenção desses equipamentos, afinal, eles são bastante eficazes pra me multar no dia do rodízio, quando não posso trafegar com meu veículo, para o qual paguei um imposto para circular pelas ruas.
Sou ou não sou o maior idiota de todos os tempos?

domingo, 31 de outubro de 2010

A Insustentabilidade da Civilização, e Vote Dilma 45

E o planeta quer que você se foda. As pessoas vivem agora nessa estupidez de dizer que "não podemos agredir a mãe natureza", e que temos que pensar para "salvar o planeta".
Adivinha só, seu pequeno e desprezível pedaço de merda: VOCÊ NÃO É FORTE O SUFICIENTE PARA SER RELEVANTE PARA O PLANETA.

A Terra é uma pelota de pedra de 5.9736 × 1024 kg. Sabe quanto é isso? Não? Nem eu, mas acredite, se milhões de anos levando meteoradas na cabeça não fez nada, todo o poder bélico do homem combinado vai representar um mísero arranhão na estrutura dessa pelota de pedra. Acorda, podrão filho-da-puta, o máximo que vai acontecer é a vida se extinguir por completo. E aí, é só esperar mais alguns milhões de anos para que algo mais aconteça.

O planeta quer que você se foda, e eu também. É por isso que os únicos prejudicados com a ignorância da sociedade é a própria sociedade. Você, seu ser humano de merda, não passa de um corno irrelevante e insignificante, de massa bostesimal, no cenário geral da Terra. E nem me faz começar falar sobre sua relevância para o Universo.

E é por isso que eu vejo que a sociedade é insustentável, uma vez que ela busca seu próprio extermínio. E uma coisa que aconteceu hoje me fez ver como é não só plausível, mas desejável, a promoção de genocídios e afins, com o único objetivo de fazer a vida um pouco mais aceitável.

Em princípio, eu sou contra qualquer tipo de violência infundada. Sou contra qualquer tipo de agressão gratuita. Mas existe algo que deve ser levado em consideração. Se todos somos inocentes até provado o contrário, toda punição que julgamos injusta pode ter fundamento muito mais sólido do que imaginamos.

Tomemos como exemplo a situação que passei hoje. Fui até o local em que voto exercer minha cidadania, dando ao menos um voto contra a puta velha ignóbil. Se não ficou claro, estou chamando a Dilma Rouseff de puta velha ignóbil, mas muitos outros adjetivos caberiam aqui, tais como criminosa, terrorista, salafrária, ladra, vagabunda, inculta, desgraçada, mentirosa, sebosa, feia, porca, suvacada, gosmenta, peçonhenta, megéra, incompetente, caloteira, vigarista, galalau, manipuladora, mamadora-de-têtas-governamentais, e assim por diante, mas nada melhor do que resumir tudo em um sonoro "SUA PUTA FILHA-DA-PUTA, VAI SE FODER E TOMAR NO OLHO DO SEU CU", que pode não agregar tanto, mas dá vazão à raiva de maneira ímpar. 

Olha só, até perdi a linha de pensamento aqui... Ah, sim, tomando como exemplo o ocorrido. Fui votar (e me desculpe se não digo aqui claramente em quem, mas, você sabe, voto é secreto...) e, na hora de ir pra casa, saio com meu carro da vaga da rua e há um Celta parado em fila dupla na minha frente. Agora, Celta, por definição, têm 89% de chance de ter um filho-da-puta, ou uma filha-de-uma-puta no voltante. Neste caso não, não se tratava dos outros 11%. 

Então estou eu, parado atrás de dito Celta, em fila dupla. As pessoas atrás soando suas buzinhas, como não poderia deixar de ser, e eu dando farol pra ver se a moça (digo moça mas era algo meio indistinguível, um desses seres sujos metidos a hippies que não tomam banho nunca e estão sempre cheio de cascas formadas por suor seco na superfície da pele, mas julgando pela estrutura corporal, era uma fêmea... Se bem que tem uma porrada de hippie macho que é magrela como um grilo e muitas fêmeas que são delicadas como um rhinoceronte, então acredito que nessa raça só se distingue o sexo ao verificar os aparelhos reprodutivos) se tocava e seguia seu caminho.

Acontece que esse ser, imbecíl como só pode ser, cismou que queria parar em uma vaga onde um Corolla tentava sair, mas o reflexo foi instantâneo (NOT) e ela estava exatamente fechando a saída desse Corolla.

Nesse caso, há duas opções possíveis: 

1. Dar ré, caso não haja ninguém atrás, ou até mesmo caso não haja uma fila de carros buzinando, para permitir a saída do Corolla e então entrar na vaga;

2. Dar-se por vencido e seguir seu caminho, permitindo então o fluxo de todos os outros cidadãos e procurando uma outra vaga.

Desnecessário dizer que a medida mais correta, civilizada e consciente de se tomar é a segunda, tendo em vista que a fila buzinando ESTAVA presente.
E qual é a escolha que a vadia faz? Dá ré. E não para, mesmo quando bate na dianteira do veículo  de propriedade deste que vos escreve.

Tentei manter a calma, afinal, é um ser inferior, não sabe tomar decisões e não entende o princípio básico de cidadania. É também alguém que, por continuar acelerando ao ter colidido comigo, no mínimo não entende as leis da física, ou realmente não dá a mínima para o próximo e seu carro importado, porém barato.

Ao desengatar e ir para frente, pouca coisa, eu pensei "deixa pra lá, é só um arranhão..."... Mas eu mal tinha acabado a frase quando percebi que o ser só havia pegado um pouco mais de distância, para então acelerar em reverso novamente, colidindo mais fortemente com a minha dianteira. Nesse momento percebi o ocorrido como uma investida imprudente e agressiva contra a minha pessoa e meus bens materiais. O carro atrás de mim, um Kia Picanto de cor negra, aproveitou uma brecha na fila da esquerda e escapuliu, dando espaço pra que eu também desse ré para fugir da imprudência do motorista do Celta. O que fiz até quanto consegui antes de alcançar o Peugeot 206 que avançava para o lugar do Picanto.

Fora de contato com o(a) lunático(a) do Celta, tentei aproveitar a brecha para sair também para a fila da esquerda, mas havia um ônibus laranja, e antes mesmo do ônibus laranja terminar de passar, eu já recebia novamente o pára-choques do Celta na grade do meu Alfa Romeo.

Diante do surrealismo da cituação, resolvi lutar fogo com fogo, e abrir caminho pelo mesmo território em que só havia perdido: primeira marcha, giro alto, e um Celta sendo arrastado pra frente, até abrir espaço suficiente para voltar e sair da fila.

Depois disso, só há uma conclusão a ser tirada: Civilização e cidadania barram o progresso do ser humano, pois em um mundo natural, pelas regras da evolução, eu teria matado essa pessoa. O fraco cai, o forte segue. No mundo civilizado, eu respeito as boas maneiras e condutas, enquanto o fraco se aproveita disso para seu bel-prazer.

É portanto insustentável a civilização, uma vez que ela dá chances para que o errado siga vivendo, impurificando assim a sociedade como um todo e regredindo desde o ponto onde havíamos chegado até um possível estágio inicial em que decairemos na cadeia de alimentos.

Esse tipo de gente, como o ser do Celta, PRECISA ser eliminado da sociedade, não permitindo a contaminação do restante com seus genes ruins.

Não preciso nem mencionar que o Celta tinha um adesivo que dizia "Dilma" e "13". É a típica escória.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Motoboys: Genocídio Plausível e Desejável

Genocídio não é bem a palavra correta, mas como "ofício-de-entrega-expressa-de-mercadoria-envolvendo-veículos-ciclomotores-cídio" é um pouco complicado, me apoderei da palavra mais simples não ideal.

Enfim, nem mesmo dessa maneira é correta, pois eu não proponho, nem desejo, assassinato em massa.
Tudo o que eu digo aqui é que, neste exato momento, eu, ser supremo da minha vida, sob o poder cósmico e sagrado que jamais me foi conferido por ninguém outro além de mim mesmo, rogo uma praga para todo e qualquer motoboy da região metropolitana de São Paulo e municípios adjacentes.

De hoje em diante, todos os motoboys contrairão candidíase, gonorréia e escorbuto, e morrerão com seus corpos em estado avançado de putrefação, com uma peste ainda desconhecida (nome a ser escolhido em breve).

Digo mais: Ninguém vai ao enterro desses desgraçados.

Está válida a praga, desde a palavra proferida.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Ensaio sobre a TV por Assinatura

Deixa eu ver se eu entendi bem... Estamos em 1992 e eu me dou conta de que, na casa do Eduardo, há uma coisa chamada Canal +, de uma tal de TVA.
Eduardo me explica: Canal + Esporte, Canal + Filmes, Canal + Notícias... algo assim, ao todo, 5 canais exclusivos que na minha TV não existiam.
- É um cabo que vem pr'aquela caixinha. A gente escolhe esses canais e eles passam coisas sem propaganda.

Faz sentido. Não ganham com publicidade, disponibilizam conteúdo exclusivo e sem cortes, sem interrupções. Por isso pagamos. Certo? CERTO? PAGAMOS PARA NÃO TER INTERRUPÇÃO?

Exatamente. Era assim que era.

E hoje?

Pagamos uma fortuna por centenas de canais, dos quais só meia-dúzia, NO MÁXIMO, têm conteúdo exclusivo e interessante, e ainda pegamos a programação fatiada com mais propaganda do que conteúdo em si.

Como se não bastasse, a qualidade é, pra dizer o mínimo, uma bosta. Quando você assiste um filme, tem que aumentar a TV e a caixa de conversão no máximo, fica ouvindo tudo com chiado, e quando entra propaganda chegamos a sangrar pelo ouvido pelo choque auditivo, de tão alto e, portanto, mal equalizado que é.

Então, voltando, deixa eu ver se eu entendi...
VOCÊ faz dinheiro vendendo anúncios.
Você faz isso em um estabelecimento do qual sou EU quem te paga o aluguel.
Quer dizer, você ganha, eu não só perco, como te pago para você me passar a perna...

É mais ou menos como usar uma camiseta da Abercrombie & Fitch que tenha estampado gigantescamente na frente "Abercrombie & Fitch".

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Organizacionalmente Organizado

E já tem quatro dias que eu ando escrevendo minhas anotações nos papeizinhos do chiclete.
Preciso de um bloco de Post-It®

domingo, 8 de agosto de 2010

Por que será que quando pedimos o café e a conta, só vem o café?

Pois é. Uma indagação que atormenta o homem moderno desde a invenção do café expresso.
Longe de mim pensar que este problema, por si só, vale um post inteiro no meu blog.
Longe de mim pensar que meu blog é tão vastamente lido a ponto de eu precisar pensar sobre o que escrever em cada post.
Longe de mim também afirmar que as duas últimas orações são verdadeiras e/ou relevantes para você, caro leitor. (inserir risada editorial aqui)
O fato é que estive por algum tempo neste final de domingo com meus bons amigos, os Zês.
Ah! Vale lembrar: Feliz Dia dos Pais para todos os pais.
E estávamos então comendo no Zé do Hamburguer, cá perto de casa. Lugar legal, e não excessão sobre a regra 'vem o café mas esquecem a conta' que foi motivo do título do post.
Conversa vai, conversa vem, e eu me sinto Narciso novamente. Parece que só falamos de mim e da minha falta de sintonia com o mundo. Construtivamente, claro.
Espero que eu consiga agora manter minha palavra e tocar essas coisas pra frente, com a ajuda dos Zês. E algumas outras pessoas em diferentes áreas (Tau treme treco puxa o rabo do tatu e vai pulando no caneco).
Não sei se eu decido ser um artista, um designer, um arquiteto ou um publicitário. Ou seja lá o que for.
Agora é organizar tudo e torcer pra que as traças não tenham devorado meus papéis.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Últimas dos EUA

Dái o Rodrigo disse que me faria parecer um cara normal.
Me levou pra comprar um tênis, um óculos e um relógio.
O tênis é Asics, e meu pé dói bem menos já. Vários dólares, tipo 3 vezes mais do que eu costumo pagar nos meus sapatos, mas valeu. É feio, mas é confortável que só. "Nike não presta", disse ele, Asics é o que pega. Meu personal trainer sabe das coisas.

Então fomos na Fossil comprar relógio em promoção. Achei um bonito. Achei 3 bonitos, mas dois deles eram laranja, então não me deixaram comprar. Nem ele, nem a Fê. Comprei um preto.

Desde 1998 que eu não uso relógio de pulso. Coloquei esse preto no braço e em menos de 14 minutos descobri que suava muito alí. Já tirei, mas vou usar esse relógio de monte no inverno.

Daí fui hoje para a última balada nos EUA. Rodrigo, Fê, Trisha, April e eu. A balada tava cheia de mina gostosa e promíscua. Aí que eu lembrei o quanto eu gosto da minha namorada. Incluindo essa April. Reza a lenda que ela é inteira artificial. Não importa, é muito bonita. Prefiro ainda a Cláudia.

Voltamos cantando "Religion" do R.E.M.. Ou "Losing my religion", não tenho certeza.

Acabei de comer strogonoff e já tô indo dormir.

'Cabou, já era.

Beijo.

Leo

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Atualizações Desimportantes sobre minha Insignificante Vida.

Cá vamos.
Encontro-me muito ocupado.
Um complexo ácnico instalou-se em minha cavidade nasal esquerda. São ao todo 4 espinhas malditas e mais uma subcutânea. Tudo em uma narina só. É como viver em constante soluço.
Também tento colocar mais garrafas do que o possível em uma só mala. Dizem que o limite é uma quantidade aceitável para consumo próprio. Sem período ou algo que o valha, me vejo no direito de levar quanto eu quiser. Inclusive porque em uma semana agitada, 10 garrafas dão conta, incluindo o que sirvo aos amigos.
Além disso muito sol, um calcanhar direito machucado por uma mangueira de borracha de ar de posto de gasolina, e um Mac em iminente aquisição. Antigo, claro.

Beijos pra todos os ninguéns.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Não sou eu quem está falando...

Pelo contrário, saiu na CNN: Pessoas que consomem bebidas alcoólicas têm 4 vezes menos chance de desenvolver artrite reumática. O álcool também pode diminuir o risco de doenças cardíacas, derrames e diabetes.

SAÚDE!

http://www.cnn.com/2010/HEALTH/07/27/drinking.rheumatoid.arthritis/index.html?hpt=Mid

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Ironia.

Vídeo mostrando o número de bombas nucleares de 1945 até 1998, dividido por países.
Falando de ironia...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Nova do Blu

Mais um vídeo absurdamente bom do Blu (blublu.org) disponível no Vimeo.
E eu pensei que em "Muto" ele havia alcançado o ápice.

BIG BANG BIG BOOM - the new wall-painted animation by BLU from blu on Vimeo.



http://vimeo.com/13085676

Eu. Com Baunilha.

Um blog sobre nada em especial. Sou só eu, de novo, mas desta vez com baunilha.